Dor nas juntas? Pode ser artrite reumatoide

A doença crônica provoca grande incômodo. Descubra como diagnosticá-lá
Por Redação

Por Bruna Machado

Fonte: Revista Vitta, ed.04.

Pentear o cabelo, abrir o zíper da calça, trocar de roupa, escovar os dentes... Esses atos são aparentemente tão simples que não nos damos conta e acabamos nos esquecendo de que eles dependem exclusivamente do bom funcionamento dos nossos ossos e articulações, não é mesmo? Quando o mecanismo "enferruja", atividades simples como essas podem ter sua execução comprometida, até a hora que a "máquina" para de trabalhar.

Existem inúmeros tipos de doenças reumáticas que comprometem o aparelho locomotor e uma das mais devastadoras é a artrite reumatoide (AR), uma doença autoimune sistêmica que inflama preferencialmente as articulações de maneira crônica e que tem como alvo, principalmente, nós, mulheres.

O motivo, não se sabe ao certo, mas especialistas afirmam que existe uma influência hormonal, além de outros fatores que também podem desencadear a doença:"Sabe-se que existem alguns genes e fatores ambientais (como o tabagismo e alguns vírus) que aumentam o risco ou podem ter um papel no desenvolvimento da AR. Portanto, ela acontece por uma combinação de fatores genéticos, imunológicos, hormonais e ambientais", explica Rodrigo Aires Corrêa Lima, reumatologista de Brasília.

Entendendo a doença

A artrite reumatoide é caracterizada por uma intensa inflamação nas juntas, provocada por inúmeras substâncias. Entre elas: a interleucina 6 (IL-6) e as células B. Essa inflamação destrói progressivamente a cartilagem e os ossos que estão ao redor das articulações, causando dor, deformidades e limitando os movimentos. Mas, além desse comprometimento, ocorrem diversos outros sintomas.

Diagnosticando o problema

O diagnóstico da artrite reumatoide é feito por meio de exames clínicos, laboratoriais e de imagem (radiografia das articulações, ultrassom e ressonância magnética) em alguns casos. De acordo com o reumatologista, o diagnóstico deve ser suspeitado sempre que ocorre inflamação nas juntas com dor e inchaço (dor de "padrão inflamatório").

O médico ressalta que é importante lembrar que toda dor deve ser investigada, isso porque várias outras doenças podem apresentar como um dos sintomas a dor articular. Portanto, em caso de dor nas articulações, os médicos recomendam que você procure um reumatologista, para que ele avalie em qual você se encaixa dentre as mais de 150 doenças reumáticas, podendo ser uma artrite reumatoide ou não.

Entenda...

A dor da artrite reumatoide se caracteriza por pertencer a um padrão chamado de inflamatório, pois ela não alivia com o repouso e está associada a uma rigidez matinal, ou seja, uma dificuldade de movimentar as articulações após um período de imobilidade, ocorrendo com mais frequência pela manhã.

Já as dores posturais e traumáticas ou que tem um padrão chamado de mecânico (como visto nas tendinites, bursites e lombalgias comuns), normalmente aliviam com o repouso e não vêm acompanhadas de rigidez matinal.

De acordo com o especialista, existem alguns achados clínicos que, sobre a avaliação criteriosa de um reumatologista, podem confirmar e reforçar o diagnóstico. Conheça quais são eles:

- Inchaço articular por mais de seis semanas de mais de três articulações;

- Inchaço nas mãos;

- Inchaço acometendo de forma semelhante as articulações dos dois lados do corpo;

- Rigidez matinal superior a uma hora até conseguir movimentar bem as juntas pela manhã;

- Presença de alguns anticorpos presentes no sangue (como fator reumatoide e anticitrulina);

- Alterações na radiografia das mãos e dos pés (como erosões ou diminuição do espaço entre as articulações);

- Nódulos em baixo da pele em áreas de atrito ou extensoras, como nos cotovelos.

Tratando a AR

Os objetivos do tratamento de AR são aliviar as dores, evitar a evolução da doença e minimizar o aparecimento de sequelas ou deformidades. Hoje há um arsenal de medicamentos que ajudam a interromper a atividade da doença, deixando-a inativa. Mesmo em pacientes cuja doença encontra-se mais avançada, com os tratamentos disponíveis, é possível melhorar bastante a incapacidade funcional e manter a qualidade de vida da pessoa.

Em pacientes que tenham deformidades ou destruições articulares onde o controle da inflamação com os medicamentos não são mais capazes de reverter tais alterações, são indicadas as cirurgias. Elas podem corrigir desalinhamentos articulares, recuperar ligamentos e tendões rompidos ou enfraquecidos pela doença, retirar tecido inflamado da articulação ou, em casos mais avançados, a colocação de próteses articulares. Mas, somente o reumatologista saberá indicar aquilo que é melhor para você.

Mas, e a cura?

Infelizmente, assim como em grande parte das doenças médicas, a cura para a artrite reumatoide ainda não foi descoberta. A boa notícia é que hoje, por meio dos medicamentos que regulam o sistema imunológico, consegue-se controlar muito bem os pacientes. E é justamente por isso que os especialistas são unânimes ao ressaltar a importância da detecção precoce da doença, quando as deformidades articulares ainda não se instalaram e o controle da doença é mais fácil de se conseguir. Quando o paciente é tratado adequadamente, consegue voltar a realizar suas atividades normais. Então, previna-se!

Ao menor sinal de um possível quadro de AR, lembre-se de que o caminho mais rápido antes das consequências mais graves é o do consultório de um reumatologista. Ele sim é o profissional indicado para conduzir o seu tratamento, independente de qual seja ele.

É preciso ficar alerta caso você sentir...

- Dor e inchaço persistente nas juntas, sobretudo das mãos e punhos acompanhada de rigidez (em geral superior a uma hora);

- Articulações inchadas, vermelhas e quentes;

- Fadiga, falta de apetite e perda de peso são sintomas que também refletem a inflamação sistêmica da doença.

Para você viver bem, mesmo com a AR

Proteja suas articulações! Siga algumas de nossas dicas:

- Mantenha uma boa relação médico-paciente;

- Pratique atividades físicas desde que não prejudiquem o quadro articular;

- Evite esportes de contato. Opte pelos esportes aquáticos.

- Tome remédios conforme orientação médica;

- Evite o tabagismo; - Cuide do seu colesterol;

- Trate adequadamente, quando presentes, o diabetes e a hipertensão arterial.

Vá de pescados!

Salmão, sardinha, arenque, atum, cação... Não importa! A boa notícia para quem sofre com os efeitos da artrite reumatoide é que o ômega 3, presente principalmente nesses alimentos, auxilia o tratamento de AR por ter ação anti-inflamatória, podendo diminuir a dor, o enrijecimento e o inchaço.

A nutricionista Rosângela Monteiro, que faz parte da equipe de Controle de Qualidade da Marcomar (SP), diz que para que os efeitos sejam sentidos, o ideal é que se consuma peixes de três a quatro vezes por semana, sendo melhor prepará-los grelhado ou cozido, por essas serem as formas mais saudáveis.

A nutricionista ressalta: "É importante atentar para os ingredientes que serão empregados nas receitas. Evite preparações com creme de leite, grande quantidade de margarina ou óleo, azeite de dendê, queijos amarelos e molhos calóricos.Prefira temperos naturais, limão, cebolinha, legumes, folhas, linhaça triturada e castanhas".

Matérias Recomendadas