Homens que amam demais

Eles são humilhados, se culpam e sofrem, mas sempre justificam as atitudes de suas amadas. Na maioria das vezes, vêm de famílias destrutivas e acreditam que essas mulheres possam amá-los um dia  Por Layla Marques Amar não é errado! O amor apazigua, tranqüiliza e proporciona uma entrega solta, sem cobranças entre o casal. Mas e quando esse [...]
Por Redação

Eles são humilhados, se culpam e sofrem, mas sempre justificam as atitudes de suas amadas. Na maioria das vezes, vêm de famílias destrutivas e acreditam que essas mulheres possam amá-los um dia 

Por Layla Marques

Amar não é errado! O amor apazigua, tranqüiliza e proporciona uma entrega solta, sem cobranças entre o casal. Mas e quando esse amor se torna excessivo a ponto de fazer você esquecer de si mesma? Cuidado, ele pode virar um tormento e até uma doença. Mas dessa vez não vamos falar de você, mulher sensível que às vezes ama demais. E sim deles, dos ditos machões e insensíveis: os homens.

Machão e insensível, certo? Errado! Ele pode até ter aquela pinta de durão, do tipo que se esquiva de qualquer palavra amorosa, mas esse tipo de homem ama sim, e ama muito. Para a especialista em comportamento humano e autora do livro Homens que amam demais, Tatiana Ades, eles tendem a se envolver mais que as mulheres. “De acordo com a pesquisa que fiz, com os homens que amam demais, entre 30 e 35 anos, eles são muito mais dependentes afetivamente, que sexualmente. A partir daí achei importante discutir o tema”, diz ela.

Como a maioria dos homens é vista pela sociedade como compulsiva por sexo e não por amor, e como também só existem grupos de ajuda para mulheres, já estava mais do que na hora de falar sobre o assunto, não é mesmo? “Senti a necessidade do tema quando vivi isso. Tive um namorado ‘Hades’ – deus grego do mundo dos mortos que, por amor, raptou sua amada Perséfone. Percebi que fui co-dependente dele, compartilhando todas as suas paranóias”, conta Tatiana.

 

Quem são os Homens que Amam Demais?

 

Geralmente, eles vêm de um contexto familiar destrutivo. Os pontos principais destacados pela autora é o relacionamento simbiótico com a mãe (ou ela é muito próxima ou muito ausente), os pais normalmente são alcoólatras e, de algum modo, os homens que amam demais sofreram violência doméstica, tanto fisíca quanto verbal. Segundo ela, eles trasportam essas frustações para a vida e repetem a história. “Quando realizei as entrevistas, desmembrei suas vidas, chegando até sua infância. Percebi que muitos deles repetem os padrões de comportamento de sua família, o que afeta bastante seus relacionamentos hoje”, conta.

 

Outras caracteríticas:

 

*Na visão dele, ela é sempre a vítima. Tudo que acontece de errado no relacionamento ele se culpa

*Ele quer tanto a aprovação dela que, mesmo sofrendo muito, abre mão de suas vontades para satisfazer as dela

*Ele começa a viver em função da amada, vasculha tudo e corre um sério risco de estar caindo na cilada do ciúmes excessivo

 

*Ele tem auto-estima muito baixa, por isso não se dá valor e deixa com que essa situação permaneça

 

 

Matérias Recomendadas